AGUAS DE BURITIS

Buritis Agora - Notícias de Buritis e região

SICCOB AMAZONIA 02

Motorista acusado de matar técnica de enfermagem em acidente é condenado a 20 anos de prisão em RO

Leonardo José da Silva já segue preso há pouco mais de sete meses pelo caso. Acidente que vitimou Simone Nascimento Ribeiro aconteceu em outubro do ano passado.

G1 Ariquemes e Vale do Jamari.

24/05/2019 12h54 - atualizado em 24/05/2019 13h05

Sessão de júri popular começou por volta das 8h30 desta quinta-feira (23).  — Foto: Rinaldo Moreira/G1Sessão de júri popular começou por volta das 8h30 desta quinta-feira (23).  — Foto: Rinaldo Moreira/G1

Sessão de júri popular começou por volta das 8h30 desta quinta-feira (23). — Foto: Rinaldo Moreira/G1

 

O motorista acusado de matar a motociclista e técnica de enfermagem Simone Nascimento Ribeiro, de 30 anos, foi condenado a 20 anos de prisão em regime inicialmente fechado nesta quinta-feira (23), segundo sentença do Tribunal de Justiça de Rondônia (TJ-RO).

Leonardo José da Silva, de 29 anos, já seguia preso há pouco mais de sete meses. Com o veredicto, ele irá cumprir outros 19 anos, quatro meses e 21 dias de reclusão. O acidente ocorreu em outubro do ano passado.

A sessão de júri popular do Tribunal do Júri de Ariquemes (RO), no Vale do Jamari, começou por volta das 8h30. As famílias da vítima e do réu acompanharam o julgamento. Entre as testemunhas do caso estava a esposa do réu.

Na sentença, o juiz Alex Balmant detalha que a mulher de Leonardo contou que o marido havia ingerido entre nove e dez latas de cerveja no dia do acidente. Ela ainda disse que tentou impedir que o esposo dirigisse em estado de embriaguez, segundo o juiz, já que possui carteira de habilitação. Porém, Leonardo se negou em passar a direção à companheira.

 
Réu Leonardo José da Silva segue preso desde a época do acidente. — Foto: Rinaldo Moreira/G1

Réu Leonardo José da Silva segue preso desde a época do acidente. — Foto: Rinaldo Moreira/G1

 

Ainda conforme a sentença, o marido da vítima também estava entre as testemunhas. Questionado sobre como passou o feriado do Dia das Mães, o companheiro de Simone se limitou em dizer apenas que não houve comemoração nem para ele e nem aos filhos do casal, de 11, 9 e 2 anos.

Por maioria dos votos, o Conselho de Sentença entendeu que Leonardo, na verdade, "não praticou homicídio culposo quando estava na condução do automóvel". Com o término da sessão, o acusado retornou à unidade prisional de Ariquemes, onde cumprirá o restante da pena determinada.

 
Simone Nascimento Ribeiro era técnica de enfermagem e deixou três filhos.  — Foto: Divulgação/Arquivo pessoal

Simone Nascimento Ribeiro era técnica de enfermagem e deixou três filhos. — Foto: Divulgação/Arquivo pessoal

 

Prisão preventiva

 

Leonardo José segue preso desde a época do acidente. Um dia depois da colisão, o juiz da 1ª Vara Criminal de Ariquemes converteu a prisão em flagrante à preventiva. De acordo com o TJ-RO, a decisão de manter o réu detido foi definida durante audiência de custódia.

Segundo a legislação, os condutores de veículos de matam em acidentes de trânsito podem ser soltos no caso de pagamento de fiança determinada pelo delegado de polícia e responder pelo processo em liberdade.

Mas, conforme a Polícia Civil, o delegado não arbitrou fiança ao motorista por conta da espécie do crime, bem como da gravidade do caso, além da reprovabilidade social da conduta do motorista por dirigir com alto teor de álcool no sangue.

 

 

Acidente, protesto e velório

 

Simone morreu na noite de 14 de outubro de 2018, após ser atropelada por um automóvel enquanto conduzia uma motocicleta pela Avenida Brasil, no Setor Jardim Zona Sul, próximo a RO-257. A vítima seguia ao trabalho.

Conforme a PM, a central de operações foi informada sobre uma picape que colidiu na traseira de uma motocicleta no Setor Jardim Zona Sul, sendo que a motociclista ficou caída na via e o motorista do automóvel, Leonardo José, fugiu do local.

Simone chegou a ser socorrida inicialmente pelo Corpo de Bombeiros e o Serviço de Atendimento Médico de Urgência (Samu) foi ao local, na sequência, para os primeiros socorros.

 
Após colisão traseira, vítima foi arremessada na via e motocicleta parou no canteiro lateral.  — Foto: Jeferson Carlos/G1

Após colisão traseira, vítima foi arremessada na via e motocicleta parou no canteiro lateral. — Foto: Jeferson Carlos/G1

A mulher apresentava traumatismo craniano, fraturas no pescoço e chegou a entrar em parada cardiorrespiratória. Os profissionais fizeram o trabalho de reanimação da vítima por mais 40 minutos, mas ela não resistiu aos ferimentos e faleceu.

A testemunha que seguiu o motorista passou a localização da residência em que ele entrou para a polícia, que compareceu no local e constatou que ele tinha indícios de embriaguez.

Com isso, o teste do bafômetro foi feito em Leonardo, apontando o resultado de 0,97 de álcool por litro de ar expelido (mg/l). Ele foi preso e encaminhado para a Unidade Integrada de Segurança Pública (Unisp) de Ariquemes.

 

Inconformados com o caso, amigos e familiares de Simone fizeram uma caminhada em forma de protesto no mesmo dia em que houve a conversão para prisão preventiva, na Avenida Tancredo Neves, entre Prefeitura e o prédio do Ministério Público de Rondônia (MP-RO).

 
Amigos de profissão e familiares realizaram caminhada em protesto pela morte de Simone.  — Foto: Rede Amazônica/Reprodução

Amigos de profissão e familiares realizaram caminhada em protesto pela morte de Simone. — Foto: Rede Amazônica/Reprodução

Com cartazes e faixas, os participantes aclamavam por Justiça e que o motorista continuasse preso em razão da morte de Simone. Na ocasião, a enfermeira Milena Coelho pediu pelo fim da impunidade e uma resposta mais grave às pessoas que matam no trânsito.

"Ela era uma pessoa que batalhava muito, estava em dois empregos para poder lutar pelos sonhos da família dela. Uma mulher extremamente humilde, que corria atrás, que lutava e a gente vê uma vida sendo tirada desta maneira. Uma coisa que poderia ser evitada, isso é inadmissível", disse na época.

Simone Nascimento Ribeiro foi velada entre o dia 15 e 16 de outubro de 2018, em uma igreja evangélica localizada no Setor 10.